Música pop japonesa dos anos 80 vira hit graças ao algoritmo do YouTube

Plastic Love, de Mariya Takeuchi, virou sucesso internacional após viralizar no Youtube (Foto: Divulgação)
 


Se voc&ecirc; gosta de navegar no YouTube para ouvir m&uacute;sica, especialmente hits dos anos 1980 ou cl&aacute;ssicos da era disco, certamente j&aacute; se deparou com &quot;<a href="https://www.youtube.com/watch?v=3bNITQR4Uso" target="_blank">Plastic Love</a>&quot;, de Marina Takeuchi.
Lan&ccedil;ada em 1985 no Jap&atilde;o, ela era desconhecida no restante do mundo at&eacute; poucos anos atr&aacute;s, quando alcan&ccedil;ou uma grande popularidade no YouTube. Agora, al&eacute;m de ultrapassar 20 milh&otilde;es de visualiza&ccedil;&otilde;es, a m&uacute;sica cada vez mais integra playlists pessoais &mdash; e atraiu perguntas sobre sua origem.


H&aacute; poucos meses, um youtuber chamado Stevem, que fala sobre anima&ccedil;&atilde;o e m&uacute;sica japonesa, <a href="https://www.youtube.com/watch?time_continue=62&amp;v=PlPTXR7e6As" target="_blank">fez quest&atilde;o de explicar</a>.
Trata-se de uma can&ccedil;&atilde;o ic&ocirc;nica do city pop, um g&ecirc;nero musical que surgiu com o boom econ&ocirc;mico do Jap&atilde;o entre os anos 1970 e 1980. A ideia era refletir um pa&iacute;s novo, moderno e brilhante. Considerando que o Jap&atilde;o n&atilde;o tinha um ex&eacute;rcito &mdash; com o final da Segunda Guerra Mundial, a Constitui&ccedil;&atilde;o do pa&iacute;s previu que as For&ccedil;as Armadas atuariam apenas como um servi&ccedil;o de autodefesa e que os Estados Unidos colocariam seu poder militar &agrave; disposi&ccedil;&atilde;o caso necess&aacute;rio &mdash; muito do dinheiro antes investido no ex&eacute;rcito foi voltado para a tecnologia. Fitas cassetes, walkmans, videogames, entre outros, passaram a fazer parte do dia a dia dos japoneses.


<em>Leia tamb&eacute;m:</em><br />
<a href="https://revistagalileu.globo.com/Tecnologia/noticia/2018/10/visitas-site-porno-disparam-durante-queda-do-youtube.html" target="_blank">+&nbsp;Visitas a site porn&ocirc; disparam durante queda do YouTube</a><br />
<a href="https://revistagalileu.globo.com/Tecnologia/noticia/2018/09/tempo-assistindo-videos-no-youtube-cresce-135-em-4-anos.html" target="_blank">+&nbsp;Tempo assistindo a v&iacute;deos no YouTube cresce 135% em 4 anos</a>


A trilha sonora para esse estilo de vida cosmopolita combinou elementos new wave, pop, disco e jazz, e Mariya Takeuchi foi uma das principais expoentes do novo g&ecirc;nero musical. &quot;Plastic Love&quot; &eacute; uma das suas can&ccedil;&otilde;es mais famosas e fala sobre cora&ccedil;&atilde;o partido, com cr&iacute;ticas sobre o que as pessoas fazem para preencher a solid&atilde;o e a ang&uacute;stia &mdash; como se jogar nas compras esperando que objetos possam faz&ecirc;-las se sentir melhor e evitando, assim, lidar com as pr&oacute;prias quest&otilde;es.
Plastic Love apareceu pela primeira vez no disco Variety (Foto: Divulgação)
&nbsp;


Sem julgar os m&eacute;ritos musicais de Plastic Love (o <a href="https://noisey.vice.com/en_us/article/435bgd/mariya-takeuchi-plastic-love-song-review" target="_blank">portal <em>Noisey</em></a> a considerou a melhor m&uacute;sica pop do mundo), foi gra&ccedil;as a entusiastas do pop japon&ecirc;s, que compartilharam a m&uacute;sica no YouTube, que ela ganhou relev&acirc;ncia mundial. A cantora, hoje com 63 anos, continua na ativa, e j&aacute; lan&ccedil;ou 12 &aacute;lbuns, superando 16 milh&otilde;es de vendas em 2009. O mais recente, <em>Trad</em>, foi lan&ccedil;ado em 2014.


<em>Curte o conte&uacute;do da <strong>GALILEU</strong>? Tem mais de onde ele veio: <a href="https://www.globomais.com.br/?linkInteligente=true#home-downloads-app" target="_blank">baixe o app da Globo Mais</a> para ver reportagens exclusivas e ficar por dentro de todas as publica&ccedil;&otilde;es da Editora Globo. Voc&ecirc; tamb&eacute;m pode <a href="https://www.assineglobo.com.br/produtos/galileu/GC/?site_par=1&amp;origem_par=1&amp;formato_par=GC_MENSAL&amp;versao_par=CAPA&amp;utm_source=capa&amp;utm_medium=site&amp;utm_campaign=gc_mensal&amp;utm_content=capa:site:gc_mensal:capa&amp;utm_term=capa" target="_blank">assinar a revista</a>, por R$ 4,90 e baixar o app da GALILEU.</em>

Deixe uma resposta