Erdogan: Ordem para matar Khashoggi veio de alto nível do governo saudita

A ordem para matar o jornalista saudita Jamal Khashoggi veio do mais alto nível do governo saudita, disse o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acrescentando que a comunidade internacional tinha a responsabilidade de “revelar os mestres do fantoche” por trás do assassinato.

Em um artigo de opinião no The Washington Post, Erdogan disse, no entanto, que não acreditava que o rei saudita Salman havia ordenado a morte de Khashoggi no consulado saudita em outubro, 2. “Sabemos que a ordem de matar Khashoggi veio dos níveis mais altos do governo saudita”, disse Erdogan.

O presidente turco escreveu: “Como membros responsáveis da comunidade internacional, devemos revelar as identidades dos mestres do fantoche por trás do assassinato de Khashoggi e descobrir aqueles em quem as autoridades sauditas -ainda tentando encobrir o assassinato – colocaram sua confiança”.

O procurador-chefe de Istambul anunciou na última quarta-feira que Khashoggi, que viveu no exílio nos Estados Unidos, foi estrangulado imediatamente depois de entrar no consulado, como parte de um assassinato premeditado. Segundo ele, o corpo do jornalista foi desmembrado antes de ser removido do local.

A Turquia está buscando a extradição de 18 suspeitos que foram detidos na Arábia Saudita para que possam ser julgados na Turquia. Eles incluem 15 membros de um suposto “esquadrão de ataque” saudita que a Turquia diz ter sido enviado a Istambul para matar o colunista do The Washington Post que criticava o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman. Alguns dos envolvidos no assassinato seriam membros da comitiva do príncipe herdeiro.

No artigo de opinião, Erdogan não mencionou o príncipe. Mas poucos na Turquia e em outros lugares acreditam que o crime poderia ter sido realizado sem o conhecimento do poderoso herdeiro do reino.

Na Bulgária, na sexta-feira, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, chamou o assassinato de Khashoggi de um ato horrendo que “deveria ser tratado devidamente” de uma forma que a não prejudicar a estabilidade da Arábia Saudita. Netanyahu disse em uma coletiva de imprensa que o Irã é uma ameaça maior do que a Arábia Saudita e aqueles que querem punir o reino do Oriente Médio precisam ter isso em mente. “Uma maneira deve ser encontrada para atingir ambos os objetivos, porque penso que o problema maior é o Irã”, disse o líder israelense, que participou de uma reunião dos primeiros-ministros da Bulgária, Grécia e Romênia e o presidente da Sérvia.

Deixe uma resposta