Agência da ONU lança nova versão de plataforma sobre tráfico humano

Plataforma com dados desagregados sobre tráfico humano foi atualizada para melhorar análises de 90 mil casos do crime. Foto: OIM

Plataforma com dados desagregados sobre tráfico humano foi atualizada para melhorar análises de 90 mil casos do crime. Foto: OIM

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) lançou nesta semana (8) uma versão atualizada do seu Portal de Combate ao Tráfico de Pessoas, agora com dados sobre mais de 90 mil casos desse tipo de crime. A plataforma também ganhou novas ferramentas de visualização das estatísticas.

Conhecido pela sigla em inglês CTDC, o projeto disponibiliza informações sobre vítimas de 169 nacionalidades, que foram traficadas em 172 países. A inciativa é o primeiro portal global de dados desagregados sobre essa forma de violação dos direitos humanos, incluindo dados primários de organizações em todo o mundo.

As análises publicadas até o momento no website revelam novas compreensões sobre o tráfico humano, como os principais setores da indústria em que esse crime ocorre, as regiões geográficas de origem e exploração, as rotas do tráfico, além de outros temas específicos, como o sequestro e o recrutamento.

Quase metade das vítimas contabilizadas na plataforma são traficadas para a exploração de sua força de trabalho, com a maioria sendo alocada nos setores da construção, agricultura, manufatura, trabalho doméstico e hotelaria ou alimentação. A exploração sexual é o tipo mais comum de abuso, afetando pouco mais da metade dos adultos e mais de 70% das crianças.

Ainda de acordo com o portal, vítimas que são sequestradas para o tráfico têm maior probabilidade de ter familiares ou amigos envolvidos na realização do crime. Em 80% desses casos, as vítimas são mulheres.

Segundo os levantamentos do CTDC, as mulheres têm quase quatro vezes mais chances de serem recrutadas por seus parceiros íntimos, enquanto crianças são mais propensas que adultos a serem recrutadas por seus familiares.

“A existência desse tipo de dados é crucial para construir o embasamento de evidências para políticas e intervenções de combate ao tráfico”, disse Anh Nguyen, chefe da Divisão de Assistência e Proteção a Migrantes da OIM.

“Como a única fonte mundial de dados desagregados sobre vítimas de tráfico de pessoas, nossa esperança é que o CTDC contribua diretamente para os objetivos do Pacto Global sobre Migração.”

Concluído em julho pelos países-membros da ONU, o pacto determina que as nações devem “coletar e utilizar dados precisos e desagregados como base para políticas baseadas em evidências” (Objetivo 1) e “prevenir, combater e erradicar o tráfico de pessoas no contexto das migrações internacionais” (Objetivo 10). O documento deve ser formalmente adotado em uma conferência em dezembro no Marrocos.

Com dados da OIM e das instituições Polaris e Liberty Asia, o portal deve continuar se expandindo à medida que novas estatísticas forem fornecidas. A expectativa é de que nos próximos meses, outras organizações parceiras e atuantes no combate ao tráfico disponibilizem mais informações para a plataforma.

Acesse o portal com conteúdo em inglês: https://www.ctdatacollaborative.org/.

Deixe uma resposta